Isso é de acordo com uma pesquisa recente entre adultos britânicos realizada pela Muso, uma empresa de consultoria e rastreamento antipirataria, que descobriu que 53% dos usuários de serviços de pirataria concordam que o acesso a esse conteúdo está errado.

Então, por que as pessoas fazem isso de qualquer maneira?
Cerca de 35% dos usuários de conteúdo pirata citaram o custo. Mas 35% também disseram que recorrem a serviços ilegais porque o conteúdo que desejam não está disponível nos serviços ou canais de TV que eles assinam. E 35% disseram que o conteúdo não está disponível através de fontes legítimas em seu país (neste caso, o Reino Unido).

Curiosamente, entre os que admitiram ter acesso ao material pirateado, 83% afirmaram que tentam encontrar conteúdo através de meios legais primeiro, de acordo com a pesquisa da Muso. Cerca de 91% dos que admitem ter acesso a conteúdo compartilhado ilegalmente disseram que pagam por um serviço de assinatura, como Netflix, Amazon Prime Video, Spotify ou Apple Music.

Os resultados devem ser interpretados com cuidado. Primeiro, o comportamento é auto relatado e as pessoas nem sempre respondem com precisão ou honestidade em tais pesquisas (especialmente quando se trata de atividade ilegal). A Muso conduziu a pesquisa com 1.000 adultos do Reino Unido via CitizenMe, um aplicativo que dá aos usuários dinheiro para preencher questionários.

Mas uma das conclusões finais da pesquisa é que muitas pessoas não se envolveriam em pirataria se houvesse alternativas legais. Os serviços da empresa sediada em Londres para proprietários de conteúdo incluem ferramentas para usar redes de pirataria para comercializar conteúdo legítimo, além de monitorar violações de direitos autorais e emitir avisos de remoção.

Fonte: TecMundo

Responda