Afilhada artística de Monarco, cantor e compositor da velha guarda da escola de samba Portela, Elisa Fernandes está na roda já há alguns anos – inclusive como integrante do coletivo carioca de compositores Nós de Cabrália, grupo formado em 2012 que está em fase de produção do primeiro álbum neste ano de 2018. Mas somente agora a cantora e compositora – em foto de Alice Venturi – vai lançar o primeiro álbum, Elisa, previsto para setembro.

O repertório é formado por 12 músicas de autoria da artista. A suave balada Paiol é a primeira munição disparada pela artista nas plataformas digitais para apresentar o álbum produzido e arranjado por Mario Wamser. O single Paiol sai na próxima sexta-feira, 8 de junho, com a gravação feita e mixada por Mari Blue no Estúdio Ouvido em Pé.

A gravação de Paiol tem os toques de Gabriel Barreto na bateria e do polivalente Mario Wanser, que, além de ter feito o arranjo, toca baixo, guitarra, teclados, violão e bandolim na faixa. As 12 músicas do álbum Elisa foram selecionadas dentre as cerca de 300 composições feitas pela artista ao longo dos últimos seis anos.

A ideia de Elisa Fernandes é lançar quatro singles antes do álbum propriamente dito. O segundo single, agendado para julho, rebobina em gravação inédita a música Você não sabe o que é ser preto, apresentada pela cantora e compositora em novembro de 2015.

Com discurso contundente, a letra toca – sob a ótica do negro – na ferida aberta do racismo. tema que entrou novamente em pauta nacional nos últimos dias por conta do questionamento da legitimidade da cantora Fabiana Cozza para interpretar Dona Ivone Lara (1922 – 2018) em musical de teatro por não ser negra retinta.

“Enquanto tu passeia pelo shopping / Tão matando outro preto. Outro preto… / Não é uma questão de opinião, não / Guarde pra você teu preconceito / E lave a tua boca pra falar / Você não sabe o que é ser preto”, dispara Elisa Fernandes, sinalizando que tem artilharia pesada no paiol de composições autorais.

Fonte: G1

Responda