Um grupo de cientistas da Alemanha, Japão, Noruega e Suécia criou um algoritmo que pode ser capaz de simular por completo o cérebro humano. O problema agora é encontrar um computador poderoso o suficiente para rodar todos os dados e seus níveis de complexidade.

1200

O documento descreve o projeto com detalhes e explica que esse algoritmo se conecta por meio de nódulos a neurônios virtuais, com o objetivo de emular um bilhão de conexões entre neurônios e sinapses individuais. Imitar o funcionamento de nossa mente é algo extremamente complexo na escala de 1:1, na verdade é impossível com a atual tecnologia.

Para alcançar apenas 10%, seria necessário esgotar as capacidades de vários supercomputadores, porque conectar neurônios, que é uma atividade essencial para o funcionamento do cérebro, requer mais poder do que o hardware existente atualmente oferece.

“Isso requer um bit de informação por processador para cada neurônio em toda a rede. Para uma rede de um bilhão de neurônios, uma grande parte da memória em cada nódulo é consumida por esse único bit de informação por neurônio. Naturalmente, a quantidade de memória de computador necessária por processador para esses bits extras por neurônio aumenta com o tamanho da rede.Ir além do 1% e simular todo o cérebro humano exigiria que a memória disponível para cada processador fosse 100 vezes maior do que nos supercomputadores de hoje”, explica artigo da Kurzweil.

E as implicações para a inteligência artificial e as redes neurais poderiam envolver uma perspectiva inteiramente nova sobre o aprendizado profundo. A descoberta é, basicamente, uma ponte entre o que sabíamos sobre nossas mentes ontem e o que saberemos amanhã.

Fonte: TecMundo

Responda