O fim da banda carioca Matanza foi anunciado ontem, 30 de maio, com elegância em comunicado postado nas redes sociais do quinteto liderado pelo vocalista Jimmy London. Contudo, por trás do tom polido do anúncio, dá para sentir que o fim da banda de countrycore formada em 1996 na cidade do Rio de Janeiro (RJ) foi motivado por incompatibilidades, talvez não exatamente de gênios, mas de expectativas e anseios dissonantes entre London, Dony Don Escobar (baixo), Jonas Cáffaro (bateria), Marco Donida (guitarra) e Maurício Nogueira (guitarra).

Após 22 anos em cena, em trajetória que será encerrada em outubro deste ano de 2018, a banda Matanza – em foto de Felipe Diniz – chega ao fim porque as necessidades artísticas dos integrantes já são divergentes e imperiosas. A separação pode ter sido decidida com civilidade e de comum acordo, como sugere o comunicado, mas o fim parece ter sido motivado pelas mesmas razões que geram términos definitivos ou recessos por tempos indeterminados de bandas em todo o mundo.

Nesse sentido, os motivos que levaram a banda Matanza a se separar parecem ser essencialmente os mesmos que provocaram o fim recente do grupo carioca O Rappa. Em bom português, além do desgaste da convivência entre os integrantes das bandas (tal como ocorre com cônjuges de um casamento já longevo), há as incompatibilidades artísticas. Cada integrante tem um desejo artístico, um anseio particular. São “questões pessoais”, para usar termo usado no comunicado, que nem sempre podem ser resolvidas em um ambiente coletivo como o de uma banda.

Assim tem caminhando a humanidade pop. E, justiça seja feita, os 22 anos de vida pela Matanza são uma idade que muitas bandas jamais atingem. A maioria, talvez. Assim tem sido, assim é e assim sempre será. Outros outubros e grupos virão. Eis o comunicado em que o Matanza anuncia o fim da banda que misturou country e hardcore em universo musical embebido em cerveja:

“A banda encerrará suas atividades no final de outubro.

– Por quê?

Porque foram 22 anos de trabalho ininterruptos, em que o Matanza foi uma prioridade absoluta em nossas vidas.

Só temos a agradecer ao destino pela oportunidade de fazer música e levá-la aos quatro cantos do nosso país.

Temos muito orgulho dos amigos que fizemos e das parcerias que consolidamos, que tanto nos deram alegrias como nos fortaleceram.

Mas estamos finalizando os trabalhos com o Matanza justamente para que possamos ver e fazer as coisas de um jeito diferente.

Existem questões pessoais que precisam ser atendidas, possibilidades profissionais que precisam ser contempladas e necessidades artísticas que nos levam à caminhos distintos.

Por isso, não há mágoa nem tristeza nessa resolução mas, sim, um grande entusiasmo pelo que está por vir.

É importante dizer que todos os shows que estão marcados serão cumpridos normalmente.

Inclusive esperamos todos nessa minitour de despedida que começa agora em julho, na sexta e última edição do Matanza Fest.” Matanza e MTZ Produções.

Fonte: G1

Responda