Os escândalos envolvendo a obtenção e o uso ilegal de dados de 50 milhões de usuários do Facebook na campanha de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos em 2016 ainda está rendendo. A bola da vez é até um tanto surpreendente: Brian Acton, um dos criadores do WhatsApp, adotou uma campanha de boicote à rede social de Mark Zuckberg.

A parte mais curiosa é o fato de o desenvolvedor ter sido parte do próprio Facebook até o início deste ano. Junto de Jan Koum, ele criou o WhatsApp, que foi vendido a Mark Zuckerberg por US$ 19 bilhões em 2014. Koum ainda continua atuando como executivo na empresa, mas Acton a deixou para criar a sua própria fundação, a Signal.

Na sequência, ele reforçou a ideia e ainda divulgou uma campanha que premia as pessoas com a criptomoeda ethereum para promover a campanha. “Delete e esqueça. Chegou a hora de se preocupar com privacidade.”

Ele não é o primeiro ex-executivo do Facebook a fazer propaganda contrária à empresa. Ano passado, o ex-vice-presidente para crescimento de usuários Chamath Palihapitiy afirmou que “as redes sociais destroem a sociedade”.

Fonte: TecMundo

Responda