Documentos revelam que a Polícia Nacional do Japão pediu ajuda ao Brasil em 1998 para investigar nove norte-coreanos suspeitos de usarem passaporte brasileiro falso no início da década de 1990. Entre os documentos colocados sob suspeita estava o passaporte em nome de Josef Pwag, identidade que, supostamente, teria sido usada pelo atual líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, para viajar e pedir vistos.

Obtidos pela BBC Brasil por meio da Lei de Acesso à Informação, esses documentos revelam detalhes de um procedimento interno, aberto pela Polícia Federal brasileira por solicitação dos japoneses, para averiguar a autenticidade dos documentos que foram usados pelos norte-coreanos para entrar no Japão entre 1990 e 1993.

No fim de janeiro de 1998, a Embaixada do Japão no Brasil formalizou o pedido junto ao Ministério das Relações Exteriores solicitando a colaboração para investigar os nove suspeitos de violarem a lei de controle de imigração japonesa. O pedido foi encaminhado à Polícia Federal para que se tomassem providências.

Dois anos e meio depois, um ofício da PF com data de agosto de 2000 diz que os passaportes da série CD que teriam sido usados pelos norte-coreanos expedidos pela PF no Rio de Janeiro deveriam ser recolhidos e cancelados porque “até hoje não se obteve uma resposta conclusiva sobre a legalidade da sua expedição, tudo levando a crer que os portadores não preenchiam os requisitos para obtenção”.

Os documentos obtidos pela BBC Brasil, que fazem parte do procedimento número 3351580, vieram da PF com tarjas pretas impedindo a identificação de nomes e números de ofícios. Não foi possível, portanto, descobrir o destinatário do ofício em questão.

Nele, a PF também pede autorização para obter informações sobre os norte-coreanos que tinham passaportes das séries CD e CE. E também apresenta uma lista de 15 perguntas cujas respostas foram consideradas “valiosas para instruir as investigações sobre a expedição irregular dos passaportes”. Esse é o último documento que consta no processo, ao qual a BBC teve acesso. Não há, no entanto, informação se a investigação avançou, nem se o Japão recebeu os dados solicitados.

O documento de Josef Pwag, natural de São Paulo e nascido em 1 de fevereiro de 1983, estava entre os passaportes colocados sob suspeita e que foram alvo da investigação. Como a BBC Brasil revelou em março, Pwag teve dois documentos brasileiros. O primeiro, com numeração CD791247, foi emitido pela PF no Rio em agosto de 1990. Conforme a BBC Brasil já havia revelado, num dos sistemas consultados por integrantes da corporação, consta uma observação associada a esse documento e assinalada como “(há) suspeita de violar imigração japonesa”, acompanhado do número do procedimento que a PF instaurou para apurar o caso a pedido dos japoneses.

Esse primeiro documento de viagem foi substituído pelo passaporte de número CE 375366, emitido pela Embaixada do Brasil em Praga em 1996.

Vistos e viagens
Segundo uma reportagem da agência Reuters publicada no início do ano, o líder norte-coreano Kim Jong-un usou o passaporte brasileiro CE 375366 em nome de Pwag para pedir vistos e viajar por países ocidentais. Ainda de acordo com a Reuters, além do líder coreano, o pai dele, Kim Jong-il, também usou um passaporte brasileiro com o nome de Ijong Tchoi e com carimbo da Embaixada do Brasil em Praga.

Quatro fontes de segurança europeias consultadas pela Reuters confirmaram que os dois passaportes brasileiros emitidos em Praga com fotos dos Kim com os nomes de Josef Pwag e Ijong Tchoi foram utilizados para solicitar vistos em ao menos dois países ocidentais. A agência, contudo, não informa se os vistos foram obtidos.

Segundo a Reuters, os documentos podem ter sido usados pelos Kim para visitar Brasil, Hong Kong e Japão.

O jornal japonês Yomiuri Shimbun disse em 2011 que Jong-un visitou a Disneylândia em Tóquio quando criança usando um passaporte brasileiro em 1991, ano que engloba o período no qual as autoridades japonesas suspeitam que os nove norte-coreanos tenham burlado a imigração do país.

Outro lado
Nem a PF tampouco o Ministério das Relações Exteriores (MRE), contudo, informam se os documentos foram usados para entrar ou sair do Brasil, nem se identificaram alguma relação entre Pwag e Itchoi com os líderes norte-coreanos.

O MRE confirma apenas que localizou os formulários em nome Pwag e Tchoi usados para renovar, em Praga, os passaportes inicialmente emitidos no Rio.

Os documentos aos quais a BBC Brasil teve acesso – também por meio da Lei de Acesso à Informação – têm duas páginas cada e, além da foto, trazem detalhes como filiação e local data de nascimento e endereço, em Praga. À BBC Brasil, o MRE esclareceu que, naquela época, para a concessão de novo passaporte, “era dispensada a apresentação de documento de identidade, caso o interessado apresentasse passaporte anteriormente expedido”.

A PF, por sua vez, se limitou a dizer que “por se tratarem de documentos antigos, está apurando as circunstâncias de emissão dos passaportes em questão e de resultados de eventuais investigações pretérias que levaram ao cancelamento de documentos de viagem”.

Questionada pela BBC, a PF não esclareceu qual foi o desfecho dessa investigação aberta ainda nos anos 1990 a pedido dos japoneses, nem se os supostos coreanos que usaram passaportes brasileiros e levantaram suspeitas no Japão foram localizados e interrogados.

A Embaixada do Japão no Brasil não quis comentar o caso e a representação diplomática da Coreia do Norte em Brasília não respondeu ao pedido de informação da reportagem.

Retorno à Embaixada
No procedimento da PF ao qual a BBC teve acesso, há indicativo de que, após a expedição dos documentos de viagem em Praga, os suspeitos retornaram à Embaixada do Brasil na capital da República Tcheca.

Em uma comunicação interna, um funcionário do MRE pergunta se a Embaixada em Praga poderia autenticar cópias dos documentos de pessoas que estavam “sob investigação da Polícia Federal”.

Nessa consulta, o funcionário cita um fax datado de 1999, que já mencionava as suspeitas de “que se tratavam de pessoas” com nacionalidade brasileira falsa.

De acordo com o pedido feito ao MRE, os suspeitos foram à Embaixada (em algum momento após agosto de 1999) para pedir “autenticação (de seus passaportes brasileiros) e posterior comprovação de nacionalidade junto autoridades tchecas”.

Fonte: G1

Responda