Nos anos 2000, Francis Hime arquitetou o projeto de caixa com reedições em CD dos álbuns gravados pelo cantor, compositor e músico carioca nas décadas de 1970 e 1980. Infelizmente para os colecionadores de discos, a caixa – que seria comercializada através da gravadora Biscoito Fino – jamais saiu do plano das ideias.

Para consolo dos admiradores da música deste extraordinário melodista, alguns álbuns de Francis foram reeditados de forma avulsa. É o caso de Pau Brasil, lançado pela primeira vez em CD em 2008 pela Biscoito Fino em edição primorosa tanto pela qualidade técnica do som remasterizado como pelo cuidado na reprodução da arte gráfica do LP original.

Sexto álbum do artista, Pau Brasil ganha segunda reedição em CD neste mês de junho de 2018, desta vez pela gravadora, Som Livre, que lançou o álbum em 1982. Em Pau Brasil, álbum em que o cantor e compositor dá voz a 12 músicas autorais, Francis alinha parcerias com Chico Buarque (Embarcação, um dos últimos títulos do cancioneiro da dupla), Cacaso (1944 – 1987) – Língua de trapo, Luar do Japão e Rio Vermelho – e Paulo César Pinheiro (A grande ausente).

Da obra com o primeiro parceiro, Vinicius de Moraes (1913 – 1980), poeta e compositor que então havia saído de cena há apenas dois anos, Francis canta O tempo da flor. Do cancioneiro composto com Olivia Hime, parceira na música e na vida, o artista apresentou Cada canção e Mente. Sozinho, o compositor assina Falcão e Rio Negro. Já a música-título Pau Brasil tem as assinaturas de Francis Hime e Geraldo Carneiro.

O confronto dos repertórios de álbuns recentes do artista com a safra autoral de Pau Brasil atesta que, diferentemente de muitos compositores da geração projetada na década de 1960, Francis Hime é um dos poucos que vem mantendo o mesmo grau de inspiração.

Fonte: G1

Responda