Há 24 anos, Diego Maradona perdeu aquela que seria sua última Copa do Mundo, em 1994 nos Estados Unidos, após ser pego antidoping por uso de efedrina. Agora, foi a vez de o ídolo argentino mandar uma mensagem de apoio a Paolo Guerrero, que, também punido por conta de uma substância proibida, não poderá defender a seleção peruana na Rússia. Muito ligado a Gianni Infantino, o Pibe desabafou e fez um apelo ao presidente da Fifa – que terá um encontro com o atacante nesta terça-feira.

“Hoje temos um presidente que saberá interpretar minhas palavras. Eu acredito que esse é o caminho. Desejo o melhor ao Paolo e espero vê-lo jogando na Rússia. E envio uma saudação a todo o Peru!”

Antes da Copa dos Estados Unidos, o argentino passou 15 meses suspenso por uso de cocaína, entre 1991 e 1994. Já Guerrero pegou um gancho de 14 meses após um exame antidoping realizado no confronto entre Argentina e Peru, pelas eliminatórias da Copa, no ano passado, apontar presença da substância benzoilecgonina, principal metabólito da cocaína. O jogador e a defesa alegam que houve contaminação em um chá tomado no período da concentração.

– Hoje eu quero estar ao lado de Paolo Guerrero, neste momento tão feio que eu também tive que passar. Eu tive uma doença e ninguém teve pena de mim, pelo contrário. Ninguém me ofereceu uma saída e acho que isso tem que acabar. Se a nova Fifa condena os jogadores que fazem as pessoas felizes por terem cometido um erro, não deveria tirá-los do trabalho, deveria ajudá-los a se curar. Porque isso é uma doença. É uma doença maligna! Eu deixei a droga há 14 anos – disse Maradona.

Fonte: GloboEsporte

Responda