Duas derrotas humilhantes: 7 a 0 para o Chile na Copa América de 2016; 4 a 1 para a Alemanha na semifinal da Copa das Confederações, ano passado. Uma vitória histórica: 1 a 0 sobre os alemães, no último domingo, na estreia do México na Copa do Mundo. Para os jogadores mexicanos, a pressão sofrida pelo técnico Juan Carlos Osorio sempre foi injusta e o resultado em Moscou provou que o ex-comandante do São Paulo é um “gênio”.

– Nunca entendemos as críticas ao técnico, e nunca entenderei. Quando se tem alguém como ele que se entrega tanto ao time, ao grupo, é difícil alguém de fora, sem conhece nosso dia a dia, ser tão radical e duro nas críticas. Me parece sem fundamentos. Para mim, ele é um gênio, faz coisas diferentes. Tomara que no final receba o mérito pelo trabalho que tem feito – disse o meio-campista Miguel Layún, titular contra a Alemanha.

– Também não entendo essas críticas, temos pouquíssimas derrotas com ele. O professor sabe muito de futebol, sabe o que faz, o que espera de cada jogador. Agora, já está pensando no próximo treinamento – completou Jonathan dos Santos, que ficou no banco.

O técnico colombiano trocou o São Paulo pela seleção mexicana em outubro de 2015. Seu cargo ficou ameaçado algumas vezes, principalmente nas derrotas por goleada para Chile e Alemanha, e a imprensa do país sempre foi muito crítica com o treinador. Agora, na Copa, Osorio tem a chance de conquistar de vez a Tricolor. O primeiro passo foi vencer os campeões mundiais.

– Taticamente, foi muito claro. Jogamos um 4-2-1-3, comigo mais à frente. Foi um jogo que trabalhamos há muito tempo. O professor fez muitas análises, vendo as possibilidades que poderíamos ter para conseguir o resultado que tivemos. Foi muito claro nas orientações, seguimos ao pé da letra – lembrou Layún.

Líder do Grupo F com três pontos, o México volta a campo no próximo sábado contra a Coreia do Sul, em Rostov. Os coreanos ainda estreiam na Copa nesta segunda contra a Suécia, em Nizhny Novgorod, na segunda partida da chave. O primeiro colocado do Grupo F pegará o segundo do E, que no momento é o Brasil.

Fonte: GloboEsporte

Responda