Desde que entrou na mira das investigações da Polícia Federal, no meio do ano passado, João Baptista Lima Filho, coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo, diminuiu os seus encontros presenciais com o presidente Michel Temer e delegou a interlocução com o presidente ao chefe de gabinete da Presidência em São Paulo, Arlon Viana. Lima e Arlon são amigos de longa data.

Segundo o blog apurou com fontes que acompanham a Operação Skala, nos últimos meses, tem sido o chefe de gabinete da Presidência em São Paulo o encarregado da comunicação mais delicada entre Lima e Temer. Os dois têm evitado falar por telefone desde que Lima virou alvo da PF.

A conversa mais recente foi em 13 de março, na casa de Temer. Arlon era o responsável pelo escritório político de Temer na rua Antônio Batuíra, muito frequentado pelo Coronel Lima.

Assim como Lima, Arlon é escalado por Temer para trabalhos pessoais. Como o Jornal Nacional revelou em 2017, Michel Temer escalou Vianna, em 2014, para serviços particulares: selecionar os profissionais para trabalhar em uma reforma na casa de Norma Tedeschi, sogra de Michel Temer. À época, Arlon Vianna era assessor da vice-presidência.

A reforma foi feita em uma casa alugada para que a mãe de Marcela Temer, que morava no interior, pudesse se mudar para São Paulo e ficar perto da filha e do neto. O presidente tem uma casa no mesmo bairro.

Arlon Vianna é amigo do ex-coronel João Baptista Lima, responsável pela reforma na casa de outro familiar de Temer, a filha Maristela. “Lima é meu amigo há bastante tempo, posso lhe garantir que tem muita hombridade, pessoa correta”, disse Arlon à época, ao blog.

Fonte: G1

Responda