Há coisas na ciência que são mais divertidas do que podemos imaginar. É o caso, por exemplo, das atividades do Centro de Pesquisa Langley, da NASA, especializado em testes para a indústria aeroespacial. Lá, especialistas de diversas áreas se dedicam a reproduzir cenas de acidentes que ajudam a desenvolver equipamentos mais seguros para astronautas, profissionais da aviação civil e militar e usuários do transporte aéreo.

Para isso, o Centro Langley usa um recurso muito conhecido na indústria automobilística: os crash-test dummies, ou, em bom português, os famosos bonecos de teste.

Em um vídeo compartilhado recentemente nas redes sociais, a NASA divulgou um pedacinho dos bastidores das atividades do Centro Langley. As imagens mostram pesquisadores usando equipamentos capazes de arremessar do alto estruturas que simulam fuselagens de aviões, helicópteros e até cápsulas espaciais – todos ocupados por bonecos que registram dados úteis a diversos tipos de pesquisas relacionadas à segurança de voo.

Os dummies são preparados com sensores capazes de captar e armazenar dados de impacto que depois são interpretados por softwares da NASA. No computador, os pesquisadores reproduzem as cenas e têm acesso a detalhes que ajudam a indústria a pensar em soluções como capacetes e trajes espaciais mais seguros e eficazes, próprios para a absorção de impactos mais fortes.

Porém, as pesquisas não servem só aos interesses da NASA. Fabricantes de aviões como a Boeing também fazem uso das instalações do Centro Langley, simulando acidentes e até pousos na água para entender como a estrutura dos aviões responde ao impacto e quais são as consequências para seus ocupantes – o que também permite desenvolver soluções estratégicas para a segurança de voo.

“Tudo o que quisermos saber sobre as consequências de um grande impacto acontece num tempo que oscila entre um e quatro décimos de segundo”, conta ao CNET Martin Annett, engenheiro da área de impacto estrutural em Langley. Ou seja, os test dummies precisam estar equipados com sensores realmente poderosos – desafio para o qual a NASA parece estar devidamente preparada.

Fonte: TecMundo

Responda