A Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) confirmou nesta quarta-feira (16) que cloro “provavelmente foi utilizado como arma química” em fevereiro durante um ataque contra a cidade de Saraqeb, na Síria.

Uma missão de investigação da OPAQ determinou que o “cloro foi liberado dos cilindros por impacto mecânico no bairro de Al Talil, em Saraqeb”, afirma um comunicado da OPAQ.

A conclusão foi baseada na presença de dois cilindros, no depoimento de testemunhas, em amostras do ambiente que demonstraram a presença de cloro e em uma série de pacientes levados a hospitais logo após o incidente com sintomas consistentes com a exposição ao cloro e outros agentes tóxicos.

Em um comunicado, o órgão, com sede em Haia (Holanda), lembrou que a missão da OPAQ é determinar “se armas químicas foram utilizadas”, mas seu trabalho “não inclui identificar quem é o responsável” pelos supostos ataques.

Uso de armas químicas
O governo sírio foi acusado de usar armas químicas em ataque em janeiro contra Ghouta Oriental, região próxima de Damasco, quando foram relatados casos de asfixia, em fevereiro em Saraqeb e em abril em Duma.

A Síria e a Rússia, sua aliada na guerra civil, negam o uso de armas químicas contra civis.

Fonte: G1

Responda