Uma das pedras fundamentais do repertório do movimento punk de Brasília (DF) na primeira metade da década de 1980, o cancioneiro da Plebe Rude inclui músicas que haviam se perdido na poeira da estrada após terem sido tocadas nos primeiros shows da banda.

Encontradas através de pesquisa feita pelos dois remanescentes da formação clássica do grupo brasiliense, André X (baixo) e Philippe Seabra (voz e guitarra), com os jornalistas Olímpio Cruz Neto e Paulo Marchetti (autor do livro O diário da turma 1976 – 1986: A história do rock de Brasília, publicado em 2001), essas músicas até então inéditas em disco ganham o primeiro registro fonográfico oficial no álbum Primórdios 1981 – 1983, lançado pela Plebe Rude em edição digital neste mês de abril de 2018.

O álbum reproduz a gravação do show feito pela banda – atualmente um quarteto formado por André X e Philippe Seabra com Clemente Nascimento (guitarra e voz) e Marcelo Capucci (bateria) – no fim de 2017 no Espaço Som, na cidade de São Paulo. Feito sob direção de Walter Abreu, o show gerou registro audiovisual posto em rotação no YouTube na última sexta-feira, 20 de abril.

A ideia foi reproduzir o clima dos shows feitos pela Plebe Rude no início da carreira, em Brasília (DF), antes da vinda para o Rio de Janeiro (RJ) no embalo da contratação da banda pela gravadora multinacional EMI-Odeon para lançar, em 1985, o mini-LP O concreto já rachou , título da discoteca básica do rock brasileiro daquela década de 1980.

Fonte: G1

Responda