Samantha Schmütz já fez muita gente rir com seus personagens em “Vai que Cola”, “Tomara que Caia”, “Zorra Total”, entre outras atrações. Mas a atriz carioca de 39 anos também é cantora.

“Desde muito nova tive influência direta da música na minha vida. Meus pais trouxeram esse universo e ele me acompanha até hoje”, explica Samantha ao G1.

“Já participei de bandas e cantei em projetos sempre que pude. Minha carreira como atriz acabou ganhando maior espaço no meu tempo, mas a música sempre foi uma paixão. Quero dar luz a ela, enaltecê-la na minha carreira mais e mais”, completa.

Aos poucos, a atriz tem se dividido entre as duas carreiras.

Ela já se transformou em Cher, Amy Winehouse e Belchior no “Show dos Famosos”, do “Domingão do Faustão”
Integrou a “Superbanda”, atração surpresa com famosos no “Superstar”
Teve programa musical próprio, o “Samantha Canta”, onde interpretava sucessos da MPB
Deve ainda lançar um EP autoral
Estreou no último final de semana no palco, em São Paulo, com um show voltado ao reggae
“Sou apaixonada pelo reggae, adoro mensagens fortes. Nesse momento de nosso país cantá-las é mais do que necessário”, afirma a atriz.

Durante o show, fez uma homenagem a vereadora Marielle Franco, que foi morta a tiros dentro de um carro, no Rio, na quarta-feira (14).

Para ela, a carreira musical complementa a de atriz. “Eu acredito na versatilidade do artista. Para mim, ele pode ser sim múltiplo. Nos Estados Unidos, isso acontece com grandes nomes como a Cher; no Brasil isso ainda está caminhando, as pessoas estão começando a amadurecer essa ideia”.

Três filmes e um seriado
Antes do EP, Samantha tem uma série de trabalhos já programados como atriz.

Ela está nos filmes “Cine Holliúdy 2: A Chibata Sideral” e “Os Salafrários”, que serão lançados este ano; volta a filmar o seriado “Vai que Cola”, e ainda em 2018, grava a continuação do filme “Tô Ryca”.

Fora isso, também vai ver sua primeira personagem longe do humor estrear na televisão. Samantha é Solange, da série “Carcereiros”. A atração estreia em abril na TV aberta, com três episódios inéditos além dos 12 já disponíveis no Globo Play.

“Estou de peito aberto nesse trabalho. Sou movida a desafios e ‘Carcereiros’ está me trazendo grandes aprendizados”, afirma a atriz, ao ser questionada se teme o preconceito por ser seu primeiro papel longe do humor.

Fonte: G1

Responda